Qual o melhor índice de reajuste de aluguel, IPCA ou IGP-M?

Estamos iniciando mais um ano, geralmente nesse período, os reajustes de contrato de aluguéis precisam ser feitos.

A Lei do Inquilinato assegura essa prática, mas existem algumas normas que devem ser respeitadas.

Habitualmente, o reajuste é feito com base no IGP-M, mas até novembro de 2020 houve uma alta acumulada de 24,52%, por essa razão algumas imobiliárias cogitaram a possibilidade de usar outro índice de reajuste, o IPCA-15, pois ele subiu apenas 4,22%.

Mas, você sabe quais as diferenças desses índices? 

Nosso texto de hoje vai tirar as suas dúvidas e ajudar a escolher o melhor índice de reajuste.

Boa leitura.

O que é IGP-M?

O IGP-M é a “inflação do aluguel”, foi criado no final do ano de 1940, no intuito de medir o movimento dos preços em geral, por isso ele é mais abrangente que os outros índices existentes hoje no mercado. 

Para fazer o cálculo do IGP-M são usados indicadores, são eles:

  • IPA-M (60%): Índice de Preços do Atacado – Mercado;
  • IPC-M (30%): Índice de Preços do Consumidor – Mercado;
  • INCC-M (10%): Índice Nacional de Custo da Construção – Mercado.

O IGP-M serve como um termômetro da economia, através dele podemos ter uma noção de como está o mercado. 

A função principal do IGP-M é indexar os contratos, de aluguel, seguros e tarifas públicas, exemplificando. 

Além disso, até alguns tipos de investimento sofrem variações conforme esse índice, ele tem um percentual fixo e são somadas as mudanças do índice. 

Como aplicar o IGP-M no reajuste de aluguel? 

A FGV faz o cálculo do IGP-M e divulga mensalmente todo final de mês, mas ele  pode ser calculado também, basta ter conhecimento do índice dos últimos doze meses fixados e do último mês, 23,14%.

Vamos dar um exemplo aplicando em um aluguel, por exemplo, aluguel no valor de R$1.500,00 x 1.2314. 

O novo valor será: R $1.847,10.

IPCA-15, o que é?

Esse índice é calculado pelo IBGE ( Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística), ele é uma prévia do IPCA, que começou a ser divulgado em maio de 2000.

O IPCA não faz medição do período do IPCA-15, ele mostra qual a tendência do mês.

A cada quinze dias o IBGE divulga os índices, faz uma comparação mais exata sobre a alta e queda nos preços. 

O que diferencia o IPCA-15 do IPCA é o período em que são coletados os dados para fazer o cálculo.  

O IPCA vai de 1° e o 30° ou 31° dia de cada mês, o IPCA-15 compreende do dia 16 do mês anterior ao dia 15 do mês vigente.

Interessante ficar atento a estes índices, pois eles ajudam a visualizar os preços do varejo, assim, é mais fácil saber como está o custo de vida da população. 

Quem faz a coleta dos preços? 

A coleta de preços é feita nos estabelecimentos comerciais e de prestação de serviços, concessionárias de serviços públicos e domicílios, é feito levantamento dos valores de aluguel e condomínio, do período que compreende dia 16 do mês anterior ao dia 15 do mês vigente. 

É levado em consideração alguns produtos e serviços, como: alimentação, bebidas, artigos de residência, comunicação, despesas pessoais, educação, habitação, saúde, cuidados pessoais, vestuários e transporte. 

São categorias gerais, logo após são divididos ainda em subcategorias, totalizando 465 subitens. 

Qual índice escolher?   

Qualquer um desses índices não é o correto para fazer o reajuste de aluguéis, segundo a FGV, eles não foram criados para servir de indexador do mercado imobiliário. 

A recomendação é que se utilize um índice com maior abrangência nacional e que mais imobiliárias utilizem, pois sempre deve ser levado em consideração as especificidades de cada cidade, cada bairro.

Agora que você já sabe as diferenças de cada índice, nos conte quais as suas dificuldades nos reajustes de aluguéis do ano que passou.

Se você quer saber mais sobre assuntos relacionados ao mercado imobiliário, assine nosso blog e receba as novidades diretamente no seu e-mail. 

Apenas preencha o formulário abaixo:

QUER RECEBER AS ÚLTIMAS NOVIDADES PARA O MERCADO IMOBILIÁRIO? INSCREVA-SE EM NOSSA NEWSLETTER