DIMOB 2022 de forma simples e automatizada!

Todo início de ano é marcado no mercado imobiliário por muita movimentação gerada em função do prazo de entrega da DIMOB, referente ao calendário do ano anterior. Ou seja, a DIMOB 2022 presta contas à Receita sobre os rendimentos do ano de 2021.

Para ajudá-lo nesta empreitada, preparamos este post esclarecendo diversas dúvidas sobre a DIMOB 2022. Confira!

O que é DIMOB

A sigla DIMOB significa Declaração de Informações sobre Atividades Imobiliárias.

Ou seja, é uma declaração anual contendo todas as informações relativas à comercialização, intermediação e locação de imóveis.

Esta declaração está em vigor no Brasil desde 2003 e é utilizada pela Receita Federal para fazer o cruzamento fiscal dos contribuintes.

Quem deve declarar DIMOB?

A declaração da DIMOB deve ser realizada por todas as pessoas jurídicas:

·         Que comercializarem imóveis que houverem construído, loteado ou incorporado para esse fim;

·         Que intermediarem aquisição, alienação ou aluguel de imóveis;

·          Que realizarem sublocação de imóveis;

·         Constituídas para a construção, administração, locação ou alienação do patrimônio próprio, de seus condôminos ou sócios.

Prazo de entrega da DIMOB

O prazo de entrega é até o último dia útil do mês de fevereiro.

 Neste ano, o prazo se encerra no dia 28/02/2022, na segunda-feira de carnaval. Não vá cair na folia e esquecer do prazo! Caso contrário, sua imobiliária será penalizada com uma multa por atraso na entrega da declaração (MAED).

Quais os dados devem ser declarados na DIMOB

Nos contratos de locação, os dados a serem apresentados são:

·         Dados da pessoa jurídica (razão social e CNPJ);

·         Nome completo e CPF do(s) proprietário(s);

·         Nome completo e CPF do locatário;

·         Dados do contrato (endereço do imóvel e data ocupação do contrato);

·         Rendimento bruto (todos os eventos que são base de IR a crédito ou a débito, como por exemplo aluguel, multas, juros, descontos e taxa intermediação).

·         Impostos retidos;

·         Comissão da pessoa jurídica declarante (taxa administração)

Nos contratos de compra e venda são necessários constar os seguintes dados na DIMOB:

·         Dados da pessoa jurídica (razão social e CNPJ);

·         Nome completo e CPF do(s) comprador(es);

·         Nome completo e CPF do(s) vendedor(es);

·         Dados do contrato (endereço do imóvel e data da compra e venda);

·         Valor do imóvel vendido;

·         Valor comissão da pessoa jurídica declarante.

Importante salientar, que os valores e dados informados entre as imobiliárias e os contribuintes devem coincidir. Caso haja divergência na informação prestada, a declaração fica retida na malha fina e podem ser aplicadas multa e juros.

Como fazer a declaração para a Receita Federal

O processo de declaração da DIMOB é bem simples, podendo ser realizado manual ou automática, diretamente pelos funcionários da imobiliária, sem precisar solicitar a um contador que realize o procedimento.

De forma manual:

·         Faça o download do Programa Gerador da DIMOB (PGD), no site da Receita Federal;

·         Após e instalar e abrir o programa, basta preencher as informações completas referentes ao ano-calendário de 2021;

·         Depois de preenchidos os dados, grave a declaração e envie a Receita Federal, através do programa ReceitaNet (programa que valida e transmite, via internet, as declarações de impostos e contribuições federais).

De forma automática:

·         Faça o download do Programa Gerador da DIMOB (PGD), no site da Receita Federal;

·         Após e instalar e abrir o programa, basta exportar o arquivo com as informações completas referentes ao ano-calendário de 2021;

·         Grave a declaração e envie a Receita Federal, através do programa ReceitaNet (programa que valida e transmite, via internet, as declarações de impostos e contribuições federais).

A diferença maior entre o processo manual e o automático é o tempo de realização do procedimento.

De forma manual, além de se perder muito tempo, há chances de preenchimento de dados incorretos é muito maior, pois é necessário adicionar os valores mês a mês de cada proprietário/ imóvel.   A forma automática é a opção mais prática e rápida, mas para isso, será necessário a imobiliária possuir um sistema de gestão, como o SAMI, que gera em poucos cliques, o arquivo com todos os dados exigidos pela Receita Federal.

Como emitir o arquivo da DIMOB no SAMI

Buscando sempre facilitar o dia a dia das imobiliárias, o processo de geração da DIMOB no SAMI pode ser realizado de forma bem simples.

Confira o passo a passo:

·         Confira no Cadastro da Empresa e no Cadastro das Cidades se o código da DIMOB está preenchido corretamente;

·         Deixe assinalada a opção nos imóveis “gera DIMOB”. Para ajudá-lo a conferir os imóveis que constam com esta opção assinalada ou não, você pode emitir o relatório “Consulta Teste Geração DIMOB”;

·         Efetue o processo de acúmulo para fins de I.R., do ano de 2021;

·         Caso queira conferir ou editar algum valor antes de gerar o arquivo, acesse a tela “Alteração de Valores Acumulados no Ano” ou imprima os demonstrativos de Informes de Rendimentos dos proprietários.

·         Estando tudo certo, acesse a tela de Geração do DIMOB e emita o arquivo DIMOB para ser exportado no programa da Receita.

Com o SAMI ficou muito fácil emitir a declaração da DIMOB, não acha? Então conheça esta e outras ferramentas de automação que o Sami pode oferecer para a gestão da sua imobiliária!

QUER RECEBER AS ÚLTIMAS NOVIDADES PARA O MERCADO IMOBILIÁRIO? INSCREVA-SE EM NOSSA NEWSLETTER