4 dicas incríveis de gestão fiscal de imobiliárias para começar a aplicar agora!

Um dos maiores desafios de quem decide empreender no Brasil é a gestão fiscal do seu negócio. Manter-se em dia com as obrigações tributárias e impedir que o manancial de impostos e taxas cobrados no país comprometa a saúde da empresa é uma tarefa árdua, que requer empenho e planejamento.

Por isso, hoje separamos algumas dicas sobre como cuidar da gestão fiscal de uma imobiliária. Confira:

1. Inclua a questão fiscal em seu planejamento

O grande impacto que as obrigações fiscais podem ter nas finanças do uma empresa exige que se antecipe ao máximo o modo como será feita a sua gestão. Muitos negócios são obrigados a fechar as portas logo nos primeiros anos de atividade por desconsiderar o peso dos impostos e tributos incidentes sobre sua atividade.

A gestão fiscal garante que uma empresa cumpra com todos os seus compromissos tributários, respeitando os prazos previstos no calendário de obrigações fiscais. Assim, evitam-se penalizações — como multas e outras sanções previstas na legislação.

É essencial incluir essa variável no planejamento elaborado para o futuro do negócio. Estude detalhadamente cada encargo ao qual sua imobiliária pode estar atrelada nas esferas federal, estadual e municipal.

E, por conta da complexidade da nossa legislação, por mais que se capriche no planejamento da gestão fiscal, nunca se estará a salvo de alguma falha ou inconformidade. Por isso, manter uma reserva financeira para emergências também é recomendável.

2. Reavalie seu enquadramento fiscal

A elevada carga tributária faz do estado brasileiro um “sócio” de peso do seu negócio, uma vez que um grande montante do que você arrecada vai diretamente para os cofres públicos. Mas há formas de reduzir a fatia do seu faturamento que é escoada diretamente para o governo. Você pode fazer isso reavaliando como sua empresa está enquadrada.

No sistema de lucro presumido, os tributos incidem sobre uma margem prefixada em lei. Caso o lucro supere essa margem, os tributos serão calculados sobre o todo aferido. Já na opção de lucro real, a tributação incide sobre o lucro líquido verificado em um determinado período, respeitando algumas compensações permitidas pela legislação. Para os negócios menores, o Simples Nacional — que tem alíquotas mais baixas e uma única guia de pagamento — é a melhor opção.

3. Busque ajuda especializada

De acordo com o Instituto Brasileiro de Planejamento e Tributação (IBPT), no Brasil são editadas, em média, 1,88 novas normas tributárias por hora em dias úteis. Com esse dinamismo da legislação é muito difícil manter-se atualizado sobre todas as obrigações que cercam o seu negócio.

Por isso, contar com os serviços de um parceiro externo para elaborar uma espécie de “pente fino” em seus processos, é uma medida interessante para identificar falhas, desperdícios e pontos de risco ao seu negócio.

4. Adote ferramentas eficientes de gestão

Como dissemos, a utilização de um sistema integrado de gestão imobiliária pode auxiliar bastante da gestão fiscal de sua empresa. Uma ferramenta eficiente reduz erros, agiliza processos e aumenta a produtividade do negócio.

Em um mesmo ambiente é possível gerenciar as áreas de vendas, locação e gestão de condomínios, de forma integrada às áreas financeira e contábil do seu negócio.

Se você tem interesse em saber mais sobre as nossas soluções para auxiliar na gestão fiscal de sua imobiliária, entre em contato conosco.

Compartilhar

QUER RECEBER AS ÚLTIMAS NOVIDADES PARA O MERCADO IMOBILIÁRIO? INSCREVA-SE EM NOSSA NEWSLETTER

DEIXE UM COMENTÁRIO

Please enter your comment!
Please enter your name here